Loção Anti-queda de Cabelo com Minoxidil e Pilocarpina






O Minoxidil é um potente vasodilatador musculotrópico (direto), pertence às peperidinpirimidinas, que atuam diretamente sobre a musculatura lisa vascular, igualmente à hidralazina; mas a diferença desta é que o seu efeito anti-hipertensivo é mais intenso e prolongado. Devido a sua poderosa ação vasodilatadora capilar sem venodilatação, origina um aumento reflexo do tônus simpático e da retenção hidro-salina. Absorve-se de forma rápida e completa pela mucosa digestiva e alcança seu efeito vasodilatador máximo em 2 ou 3 horas. Sua meia-vida plasmática é de 4 horas e seu efeito vasodilatador pode durar de 1 a 3 dias. Metaboliza-se amplamente pelo fígado e é eliminado como droga livre (10-15%) e metabolizado pela urina. O efeito antialopécico é explicado pelo maior fluxo vascular cutâneo.  

Pilocarpina: É um alcaloide extraído das folhas do jaborandi. Tem ação colinérgica e é usada em loções capilares por seu efeito estimulante para o crescimento dos cabelos.

Capsicum: Tem ação carminativa e seu principal alcaloide, a capsaicina, tem ação revulsivante e rubefaciente.


D-Pantenol: É obtido por redução do ácido pantotênico e usado para o tratamento de diversas afecções da pele. Além de sua ação cicatrizante, umectante e estimulante do metabolismo epitelial.

Ações terapêuticas - resultados

De forma tópica, é utilizado em tratamento de alopecia androgenética ou outras formas de alopecia. Estimula a microcirculação em torno do folículo piloso e promove o crescimento capilar. Como o pico da atividade do Minoxidil mantém-se por cerca de 1 hora, recomenda-se fazer várias aplicações ao dia, com a finalidade de melhorar a resposta terapêutica.

Reações adversas 

Embora raros, podem ser apresentados eritema local, descamação, prurido.

Precauções 

Não utilizar em mucosas ou perto dos olhos. Aconselha-se a lavagem das mãos após cada aplicação.  

Interações 

Não deve ser administrado por via tópica com outros fármacos tópicos que aumentam a absorção como corticoesteróides, retinóides ou com bases de pomadas oclusivas.  

Como usar o Minoxidil: Aplicar no couro cabeludo 2 a 3 vezes ao dia, com massagem suave.

O que é Alopecia ou Calvície?

Alopecia ou calvície, na sua definição mais comum, significa a perda de cabelo. Muitas formas de alopecia feminina ou masculina incluem a perda de cabelo momentânea ou enfraquecimento do cabelo e são causadas por vários factores, incluindo a dieta, o trauma para os folículos pilosos, doença, medicações etc.

Quais os principais tipos de Alopecia ou Calvície?

Os dois mais conhecidos tipos de alopecia permanente são a alopecia areata e a alopecia androgenética.

Alopecia Areata: Está relacionada a fatores autoimunes e seu agravamento é influenciado pelo estado emocional da pessoa. É caracterizada pela perda acelerada, parcial ou total de pelos em uma ou mais regiões do couro cabeludo ou ainda em áreas como a barba, as sobrancelhas, púbis, etc. O renascimento dos pelos pode ocorrer em alguns meses, mas em alguns casos a doença avança, podendo atingir todo o couro cabeludo (alopecia total) ou todo o corpo (alopecia universal).

Alopecia Androgenética: É a causa mais comum e frequente de alopecia masculina, mas também atinge as mulheres. Começa a se manifestar entre a puberdade e a vida adulta, tendo muitos graus. Como o próprio nome diz, é uma associação de fatores genéticos com o hormônio conhecido como testosterona. Este tipo é o que a maior parte das pessoas geralmente chamam de padrão masculino de calvície ou queda de cabelo difuso e ocorre apenas na cabeça. Nos homens, a perda de cabelo ocorre gradualmente começando nas têmporas (geralmente formando um H como a linha do cabelo) e recua na “coroa do crânio”. Nas mulheres, o cabelo se torna mais fino ao redor de todo o couro cabeludo, mas dificilmente resulta em calvície total ou completa.

Como acontece a Calvície?

Em algumas partes do corpo (como a próstata, testículos, glândulas supra-renais e folículos capilares), uma enzima chamada 5α-redutase (lê-se “cinco alfa redutase”) transforma a testosterona numa versão bem mais forte: o hormônio di-hidrotestosterona (DHT).

Ele participa de várias funções relacionadas ao desenvolvimento sexual, como a formação da genitália masculina durante a gestação, o desenvolvimento das características sexuais primárias e secundárias na puberdade e a atividade da próstata no homem adulto. As mulheres também produzem DHT, porém em quantidades muito menores que os homens.

O problema é que, no couro cabeludo, o DHT parece promover a chamada miniaturização folicular: os folículos capilares vão diminuindo de tamanho, a fase de crescimento do cabelo (anágena) fica cada vez mais curta, as fases de descanso (catágena e telógena) se prolongam e os fios vão se tornando mais finos e ralos, podendo até parar de nascer por completo.



Esse processo gera o padrão comum de calvície masculina: surgem “entradas” nas laterais da linha frontal de crescimento dos cabelos, junto com o progressivo raleamento dos fios no topo da cabeça. Com o avanço do quadro, as duas áreas de regressão dos fios se encontram, deixando sobrar apenas uma faixa de cabelo na parte de trás e nas laterais da cabeça, onde os fios não costumam ser muito sensíveis ao DHT.
Já o padrão mais frequente de calvície feminina envolve uma perda mais difusa do cabelo, com raleamento mais visível dos fios no topo da cabeça (o local onde o cabelo é repartido vai se “alargando” e mostrando cada vez mais a pele por baixo).

Aparentemente os hormônios femininos ajudam a proteger os fios da ação do DHT: com a diminuição da produção desses hormônios, principalmente após a menopausa, a queda de cabelos pode se manifestar de forma mais acentuada.

Muito utilizado em conjunto com a finasterida, o Minoxidil é um dos produtos mais receitados para tratar a queda de cabelos. A substância estimula a absorção de nutrientes e oxigênio no folículo capilar, aumentando o seu tamanho e prolongando a fase de crescimento (anágena) dos cabelos. Costuma vir em forma de loções, espumas ou cremes, para aplicação diretamente sobre o couro cabeludo.

Referências Bibliográficas 

1. Formulário Médico Farmacêutico, 2ª edição. São Paulo: Tecnopress, 2002. 
2. Manual de incompatibilidades farmacotécnicas para preparações de uso tópico. ANFARMAG, 2003. 3. Martindale,  guia completa de consulta farmacoterapéutica. 2ª edição espanhola. Barcelona: Pharma editores, 2006. Pág. 1222 e 1223. 
3. Dicionário da Saúde




Comentários

  1. Usei minoxidil por 10 meses e obtive muito resultado, escreve um artigo em meu blog caso queira dar uma olhada: http://omeninomaisquerico.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Controle de Eritema na Rosácea